DIÁLOGO DAS FONTES: HARMONIZAÇÃO SISTÊMICA, UNIDADE E PAPEL CONSTITUCIONAL

Elizio Lemes de Figueiredo, Chrislayne Aparecida Pereira de Figueiredo

Resumo


RESUMO: O presente estudo traz a discussão um novo olhar no conflito aparente de normas. Este novo olhar é a busca da harmonização, coerência e unificação das plurais fontes legislativas ofertadas pela teoria denominada “Diálogo das Fontes”. Esta teoria tem como precursor o jurista alemão Erik Jayme, da Universidade de Heidelberg e introduzida no Brasil através das lições de Cláudia Lima Marques, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Visa sintonizar todas as normas aplicáveis ao mesmo caso, aplicando-se a mais compatível ao caso sub judice, preservando a unidade do ordenamento jurídico e a supremacia da Constituição Federal. Um passo além dos critérios da especialidade, hierarquia e cronológicos, fórmula clássica de solução das antinomias jurídicas. Valeu-se do método de abordagem dedutivo e do método de investigação bibliográfico, com acesso às legislações, as doutrinas e às jurisprudências Pátria referente ao tema. Tem-se a título de objetivo geral verificar a abordagem doutrinária da teoria denominada “Diálogo das Fontes” e como objetivos específicos verificar a ação da citada teoria na harmonização sistêmica e unidade da ordem jurídica, interpretar o papel da Constituição Federal frente ao “Diálogo das Fontes” e identificar a aplicação da citada teoria no âmbito jurídico pátrio. O intérprete do Direito pátrio já assimilou as bases jurídicas do “Diálogo das Fontes”, inclusive, a jurisprudência colhida dos Tribunais Superiores do Brasil indicam a massificação e consolidação da teoria, aplicada inicialmente nas relações consumeristas e depois alcançou as demais searas jurídicas.

 

PALAVRAS-CHAVE: Diálogo das fontes. Harmonização sistêmica. Unidade. Papel constitucional.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AFONSO DA SILVA, José. Curso de direito constitucional positivo. 23. ed., rev e atual. São Paulo: Malheiros Editores, 2004.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de direito constitucional. 19 ed., São Paulo: Saraiva, 1988.

BENJAMIN, Antonio Herman de Vasconcellos e. Prefácio. In: MARQUES, Claudia Lima (Coord.). Diálogo das fontes: do conflito à coordenação de normas do direito brasileiro. São Paulo: RT, 2012.

BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Trad. Maria Celeste Santos. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.

BONAVIDES, Paulo. Do estado liberal ao estado social. 6. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 1996.

BRASIL. Código de Processo Penal. Disponível em: . Acesso em: 22/04/2018.

_________. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 22/04/2018.

_________. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Disponível em: . Acesso em: 22/04/2018.

_________. STJ. Primeira Turma. AgRg no REsp 1483780/PE. Relator Ministro Napoleão Nunes Maia Filho. Julgado em 23/06/2015. DJe 05/08/2015.

_________. STJ. Segunda Turma. RMS 49.370/MT. Relator ministro Herman Benjamin. Julgado em 02/02/2016, DJe 20/05/2016.

_________. STJ. Terceira Turma. REsp 245465/MG. Relator Ministro Antônio de Pádua Ribeiro. DJ: 23.05.2005. RSTJ vol. 194 p. 353.

_________. STF. Primeira Turma. RE 351750. Relator Ministro Marco Aurélio. Relator para Acórdão Ministro Carlos Britto. DJe 25.09.2009, RJSP v. 57, n. 384, 2009, pp. 137-143.

BREGA FILHO, Vladimir. Direitos fundamentais na Constituição de 1988: conteúdo jurídicos das expressões. São Paulo, SP: Juarez de Oliveira, 2002.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional. Coimbra: Almedina, 1999.

_________. José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 7 ed. Coimbra, Portugal: Almedina, 2008.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Lições de direito constitucional. São Paulo: Saraiva, 2017.

GUASTINI, Riccardo. Das fontes às normas. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Quartier Latin do Brasil, 2005.

HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: safE, 1991.

JUCÁ, Francisco Pedro; ISHIKAWA, Lauro. A constitucionalização do Direito: uma função social do direito. In, ______; ______ (Org.). A constitucionalização do Direito: seus reflexos e o acesso à justiça. Birigui: Boreal, 2015.

LAFER, Celso. A reconstrução dos Direitos Humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das letras, 1988.

MARQUES, Cláudia Lima. Diálogo entre o código de defesa do consumidor e o novo código civil: do “diálogo das fontes” no combate às clausulas abusivas. Revista de Direito do Consumidor. n. 45, p. 70-93. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

________; BENJAMIN, Antonio Herman e MIRAGEM, Bruno. Manual de direito do consumidor. In: BENJAMIN, Antonio Herman V., MARQUES, Cláudia Lima e BESSA, Leonardo Roscoe. São Paulo: RT, 2007.

_________. O “Diálogo das Fontes” como método da nova teoria geral do direito: um tributo aErik Jayme. In: MARQUES, Cláudia Lima (Coord.). Diálogo das fontes: do conflito à coordenação de normas do direito brasileiro. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012.

_________. Superação das antinomias pelo Diálogo das Fontes: o modelo brasileiro de coexistência entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil de 2002. Revista da Escola Superior da Magistratura de Sergipe, Aracaju, SE, v. 7, p. 15-54, 2004.

MIRANDA, Jorge. Teoria do estado e da constituição. 3 ed. ver.. atual e ampl. Rio de Janeiro: Forense. 2003.

PERLINGIERI, Pietro. O direito civil na legalidade constitucional. Tradução de Maria Cristina de Cicco. Rio de Janeiro: Renovar, 2.008.

SALDANHA, Nelson. Formação da teoria constitucional. 2 ed. atual e ampl. Rio de Janeiro: Renovar, 2.000.

TAVARES, André Ramos. Curso de direito constitucional. 14 ed. ver. e atual. São Paulo: Saraiva, 2014.

VERDÚ, Pablo Lucas. O sentimento constitucional: aproximação ao estudo do sentir constitucional como modo de integração política. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

VIANNA, José Ricardo Alvarez. A teoria do diálogo das fontes. Teresina, ano 16, n. 2755, 16 jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 21/04/2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço: Avenida Prudente de Moraes, 815

Bairro: Zona Sete

CEP: 87020-010

Maringá - Paraná - Brasil